Já está disponível a 3ª edição do VADE MECUM

INSCREVA-SE

NOTÍCIA

  22 de maio de 2018

Congresso Nacional homenageia os 100 anos da Academia Piauiense de Letras

A sessão solene foi realizada por inciativa pelo senador Elmano Férrer e deputado federal Paes Landim.

O centenário da Academia Piauiense de Letras  foi celebrado na segunda-feira (21), em sessão solene do Congresso Nacional, no Plenário do Senado Federal. A proposta foi do senador Elmano Férrer (PODEMOS-PI) e do deputado federal Paes Landim (PTB-PI). O acadêmico Herculano Moraes, que faleceu na última quinta-feira, dia 17, foi lembrado e homenageado durante a solenidade. 

O senador Elmano Férrer ressaltou a importância da Academia Piauiense de Letras para a cultura do estado. “A APL com com nomes que enchem de orgulho nosso povo. São poetas, escritores e juristas, que configuram figuras importantes para a cultura, as letras e a sociedade piauiense”, afirmou o senador Elmano. 

Além do senador Elmano Ferrer, e do deputado federal Paes Landim, estiveram presentes a vice-governadora Margarete Coelho, a senadora Regina Sousa (PT), Nelson Nery Costa (presidente da APL), Francisco Lucas Veloso (presidente da OAB/PI), Carlos Pires Brandão (desembargador federal), Kassio Marques (vice do TRF1), e os acadêmicos, integrantes da APL: Jônathas de Barros Nunes, Hugo Napoleão, Pedro da Silva Ribeiro e Afonso Ligório Pires de Carvalho. 

O acadêmico Herculano Moraes foi homenageado durante a sessão solene. “Não poderia deixar de expressar meus sentimentos e minha consternação com o falecimento do nosso querido Herculano Moraes, brilhante acadêmico que ocupava a cadeira de n. 18, secretário-geral da atual gestão. Filho da cidade de São Raimundo Nonato, era jornalista, poeta, cronista, romancista e crítico literário, foi vereador de Teresina, e secretário de Comunicação Social do governo. É uma grande perda para a Academia e para a cultura nacional”, destacou o senador Elmano Férrer. 

A Academia Piauiense de Letras (APL) foi fundada no dia 30 de dezembro de 1917, em Teresina, por um grupo de intelectuais, liderado por Lucídio Freitas. A instituição conta com 40 cadeiras, ocupadas por nomes importantes da cultura e literatura.