Já está disponível a 3ª edição do VADE MECUM

INSCREVA-SE

NOTÍCIA

  17 de novembro de 2015

Elmano Férrer cobra de ministros por obras de infraestrutura para o Piauí

Durante audiência pública, o senador questionou sobre o aeroporto de Teresina, os aeroportos regionais, Porto de Luís Correia, duplicações das BRs, além de obras para segurança hídrica.

Em audiência pública da Comissão de Serviços de Infraestrutura, o senador Elmano Férrer cobrou de ministros e convidados sobre obras de infraestrutura que afetam diretamente no desenvolvimento do Piauí. Entre os questionamentos que Elmano colocou ao ministro-chefe da Secretaria de Aviação Civil, Eliseu Padilha, estão o andamento dos aeroportos regionais e do aeroporto de Teresina.

Segundo senador Elmano Férrer, hoje tem-se duas possibilidades para Teresina: a construção de um novo aeroporto, em espaço específico, e a reforma e ampliação do aeroporto já existente. “O aeroporto da nossa capital foi inaugurado em 1967 e tem atualmente quase 1 milhão e 200 mil passageiros por ano. Sabemos que para ampliação do atual irá causar desapropriações”, disse.

O ministro Eliseu Padilha ressaltou que há perspectiva de ampliação do atual aeroporto, com investimentos na ordem de R$ 369 milhões, prevendo inclusive as desapropriações. Mas, que o Governo Federal e o Governo do Estado têm trabalhado com um projeto para construção em novo sítio sem restrições urbanas.

Sobre o Porto de Luís Correia, que nas palavras do senador é uma expectativa de muitos anos dos piauienses, o ministro-chefe da Secretaria de Portos, Helder Barbalho, destacou que o Porto será utilizado para atividade de pesca e turismo, em uma primeira etapa, não mais para atividade de carga portuária, como era previsto.

Duplicação

Ainda durante a audiência pública, o senador Elmano Férrer externou a necessidade de duplicação das rodovias federais que dão acesso a Teresina, BRs 343 e 316. Para ele, é inadmissível que Teresina seja a única capital que não tem os acessos duplicados. Também criticou o fato do governo estadual ter que fazer empréstimo para fazer essas obras de responsabilidade do Poder Executivo Federal. Destacou ainda sobre obras para crise hídrica no estado.