Já está disponível a 3ª edição do VADE MECUM

INSCREVA-SE

NOTÍCIA

  23 de maro de 2016

Elmano Férrer inclui emenda de R$ 1 bilhão para Adutora do Sertão no PPA 2016/2019

Em discurso, o senador lembrou a passagem do Dia Mundial da Água e os problemas vividos por famílias que moram na região do semiárido piauiense

Em discurso nessa quarta-feira (23), o senador Elmano Férrer (PTB-PI) anunciou que conseguiu incluir emenda de sua autoria no Plano Plurianual 2016/2019, no valor de R$ 1 bilhão, para elaboração de projetos e a execução de obras de implantação da Adutora do Sertão. O senador aproveitou para lembrar a passagem do Dia Mundial da Água, comemorado no último dia 22 de março, ressaltando as dificuldades vividas por muitas famílias do semiárido piauiense com a falta de abastecimento de água.

Segundo o senador Elmano Férrer, a Adutora do Sertão será obra de maior impacto socioeconômico da história do Piauí. “Partindo do Vale do Gurgueia, a Adutora atingirá o município de Caracol e daí alcançará por gravidade todo o sul e sudeste piauiense, cobrindo seu semiárido e levando água de qualidade para cerca de 600 mil habitantes", afirmou. Para ele, a Adutora mostra-se como uma solução viável, levando água de boa qualidade ao consumo das famílias, sem causar danos ambientais, pois utiliza águas subterrâneas em abundância do Piauí.

O projeto e a execução da Adutora estão incluídos no Plano Plurianual, que é o instrumento destinado a organizar, elaborar e executar políticas públicas necessárias do Governo no período de quatro anos. “Estamos trabalhando junto aos órgãos competentes para tirar a Adutora do campo dos sonhos e torná-la uma realidade”, ressaltou Elmano Férrer.

Durante o discurso, o senador frisou que falta uma política hídrica no Piauí, a exemplo do que existe em outros estados, como o Ceará. Em situação paradoxal, o Piauí tem disponibilidade hídrica per capita da ordem de 9 mil metros cúbicos por ano, que o destaca como o estado nordestino, no domínio do semiárido, com maior potencial hídrico.

Elmano Férrer também lamentou a extinção de importantes órgãos que lutavam pela redução das desigualdades regionais, como a SUDENE.