Já está disponível a 3ª edição do VADE MECUM

INSCREVA-SE

NOTÍCIA

  19 de setembro de 2016

Senador Elmano Férrer alerta que crise hídrica é oriunda da falta de planejamento

O senador Elmano Férrer (PTB) discursou no Senado nesta segunda-feira (19), chamando a atenção para crise hídrica no Piauí e sobre a situação do Parque Serra da Capivara. O parlamentar alertou que os problemas existentes são ocasionados por falta de planejamento.

“Ora, se São Paulo, em 2014, atravessou aquele drama de escassez de água para o consumo humano, Brasília está na iminência de passar pelo mesmo, assim como o Brasil afora, o que traduz a falta de planejamento neste país em todas as áreas. O planejamento foi colocado de lado. Vivemos do momento, sem pensar no futuro”, comentou o senador Elmano Férrer.

O parlamentar advertiu para o volume das barragens, principalmente no Nordeste do país. “No Piauí, todos os reservatórios estão no volume morto. A maior parte, embora o Piauí tenha outra fonte de recursos de água invejável, a água subterrânea, através de aquíferos importantes, não tem esses recursos. Então, isso traduz a falta de planejamento. Vivemos há muito tempo neste País do hoje sem vermos o futuro”, argumentou Elmano.

Férrer foi aparteado pelo senador Raimundo Lira (PMDB/PB) que reforçou a necessidade de medidas urgentes. “O discurso é oportuno, e o Governo Federal precisa colocar como urgência urgentíssima, como principal projeto a conclusão da transposição do Rio São Francisco”, declarou.

O senador Elmano falou ainda sobre o abastecimento de água na região Nordeste. “Estou antevendo um caos em breve no abastecimento d'água da região Nordeste, sobretudo na região semiárida. E com isso antevejo a extinção do planejamento de nosso País, com a extinção da Sudene, que vi nascer, que vi morrer, que hoje sobrevive como o Dnocs. E vejo isso com tristeza, com meus 50 anos de Piauí, que tem uma área significativa do semiárido e outra numa região. Nós temos recursos naturais do subsolo, um aquífero. É chegado o momento de tentarmos estabelecer um programa emergencial se não quisermos ver cidades com pessoas morrendo de sede, a não ser que consigamos dessalinizar as águas marítimas. Então, é um problema grave e eu queria trazer a esta Casa, um problema que se agrava ainda mais em decorrência do estado de falência, permitam-me assim me expressar, dos Estados membros da Federação”, avaliou.